Estudo mostra que bebida causa mais danos à memória e capacidade de raciocínio das mulheres, em comparação aos homens

mulherbebada-inpa

Uma pesquisa publicada no periódico Alcoholism: Clinical and Experimental Research demonstrou que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas raelmente traz danos à memória de adolescentes, especialmente entre mulheres.

Participaram da pesquisa um total de 95 adolescentes, com idades entre 16 e 19 anos. Os participantes foram divididos em dois grupos, ambos submetidos a um teste de percepção espacial. Um grupo composto por aqueles que bebiam muito de uma só vez (mais de 1,5 litro de cerveja ou quatro taças de vinho para mulheres ou mais de 2 litros de cerveja ou 1 garrafa de vinho para os homens), e outro, por aqueles que bebiam apenas em pequenas quantidades. No primeiro grupo, 27 participantes eram homens e 13 eram mulheres. Já no segundo, 31 participantes eram homens e 24 eram mulheres.

Através de exames realizados com aparelhos de ressonância magnética, os pesquisadores descobriram que as adolescentes que bebiam muito tinham uma quantidade menor de atividade cerebral em diversas áreas durante a aplicação do teste, quando comparadas àquelas que bebiam apenas em pequenas quantidades. A professora de Psiquiatria da Universidade da Califórnia, Susan Tapert, explica que estas diferenças podem afetar diversas funções, tais como como concentração e o tipo de memória usado na hora de fazer cálculos, o que também seria fundamental para o pensamento lógico e capacidade de raciocínio.

Entre os homens, os resultados não foram os mesmos. De acordo com os pesquisadores, eles não são afetados da mesma forma que as mulheres pela bebida. Aqueles que bebiam muito de uma só vez também apresentaram anormalidades em comparação aos demais, embora a diferença seja bem menor do que a observada entre as mulheres.

Os resultados apontam que as mulheres são mais vulneráveis do que os homens aos efeitos do álcool, sofrendo danos na memória, na concentração e na habilidade de raciocínio lógico.

Com informações: BBC Brasil

Share

Comente!