O MAIS PODEROSO MOTIVADOR DO PLANETA – REFORÇAMENTO INTERMITENTE

Não tem nada comparado a euforia e a felicidade de um novo amor.
Especialmente, quando você crê que encontrou “o certo”. Que chegou a outro
nível. Você pode ter achado que nunca soube o que era o amor de fato, antes.Você provavelmente foi inundado por alegria e felicidade inacreditáveis. Você finalmente encontrou o que estava procurando, e foi ainda melhor do que você jamais imaginou.
E então, um dia, algo inesperado acontece. Você tem um sentimento de enjoo,de desconforto do qual você não consegue se desvencilhar. Você sente no seu íntimo de que ele, ou ela, está se afastando. Seu coração se arruinou, e seu estômago está cerrado de medo.
No processo de ligação psicopata, o momento onde a alegria de encontrar o amor, se transforma em medo de perder, é denominado de “deslocamento manipulativo”. Quando isso acontece, o psicopata toma o controle. Isso é quando o estágio de desvalorização começa. O medo nos toma a capacidade de pensar claramente. É uma emoção extremamente poderosa e desconfortável, e nós queremos que ela desapareça. Nesse caso, medo foi causado pela ameaça de perder nosso (suposto) relacionamento maravilhoso. Quando vemos alguém que pode ser aquele a levar nosso medo embora, estamos dispostos a dar a eles qualquer coisa. Nessa situação, essa seria a mesma pessoa que causou isso em um primeiro momento – o psicopata. Ele ou ela manda nosso medo para longe sendo atencioso e amável de novo. Se perguntarmos a ele se algo está errado ele nos dirá que estamos imaginando coisas, ou ele nos culpará, ou inventará alguma desculpa para seus lapsos. Se o medo é algo que queremos evitar, como o psicopata usa para nos deixar viciado?
Alternando com outro poderoso sentimento – Amor.
Criando a insegurança de perder o relacionamento – e depois aliviá-la com episódios de amor e atenção – é a manipulação perfeita, conhecido como
reforçamento intermitente. Esses episódios positivos que banem nosso medo liberam uma potente dose de dopamina- induzindo a euforia. No fim das contas, não queremos perder o que mais nos importa. Respiramos fundo e relaxamos.
Você já teve a oportunidade de ir a um cassino e jogar em um caça níquel? Você coloca alguns trocados e puxa a alavanca, outra, e outra vez, e assistiu as pequenas imagens coloridas de frutas e números e sinos tocando. Se você não ganhar nada você começa a temer a possibilidade de perder todo o dinheiro que você já colocou, e mais ainda, de não ganhar o jackpot. Apesar de você se arriscar a perder mais dinheiro, você é compelido a continuar tentando ganhar. E se você se afastar da máquina agora, depois de investir todo esse dinheiro e esse tempo, e a próxima pessoa que se sentar na máquina e puxar a alavanca ganhar? Você a alimenta com um pouco mais de seus trocados, puxa a alavanca e – surpreendentemente – imagens de um número sete vermelho alinhados e sinos tocando paralelo a luzes coloridas. Essa recompensa faz seu cérebro acender, liberando também uma explosão de prazer induzido por dopamina, e você quer mais. Você teme desaparecer, e você pensa que agora que você tem todos esses trocados você deveria continuar jogando. Você sabe talvez você ganhe o grande jackpot na próxima vez. Você começa a alimentar a máquina outra vez. Você está viciado. Psicólogos pesquisadores têm considerado o reforçamento intermitente o mais forte motivador do planeta.E também o mais manipulativo.

Reforçamento intermitente é simplesmente a imprevisibilidade de recompensas para repetir o comportamento, mas não é a formula mais poderosa para fazer alguém se sentir ou agir de uma forma desejada. É possível ser elevado gradualmente (esutilmente) a níveis cada vez mais extremos, criando obediência, sendo obsessivo e até mesmo autodestrutivo. Eu penso que isso não é uma surpresa pra muitos de nós. Quando olhamos para trás, é fácil notar que esquemas intermitentes são difíceis de se trabalhar. Quanto mais raramente as migalhas do amor são oferecidas, mais viciado você
fica. Você se torna condicionado, como um rato em uma caixa de condicionamento. Quando ratos são ensinados a pressionarem barras que aleatoriamente liberam petiscos deliciosos, eles pressionam a barra obsessivamente. Depois de um tempo, eles continuaram pressionando a barra mesmo que os petiscos deliciosos não sejam dispensados… Até que eles morram de fome (eu penso que isso é um experimento inconcebível, a propósito, provavelmente realizado por pesquisadores psicopatas). Similarmente, devemos ter insistido onde não tinha mais amor disponível.
Morsel- bombing Ratos de laboratórios são ensinados a pressionar a barra com reforçamento contínuo. No começo, todas as vezes que eles pressionam a barra eles recebem um petisco (assim como a fase de idealização, ou bombardeio amoroso): Então os experimentadores mudam o jogo – o rato pressiona a barra, mas o petisco não é entregue todas às vezes, só de vez em quando. Ele tem receio de não ganhar um petisco, mas ele continua pressionando a barraque resultou em comida no passado, então ele continua pressionando até ele ganhar.

Contando que ele ganhe um petisco ocasionalmente, ele continua pressionando. Quando ele para de receber o alimento, ele tem certeza de que ganhará na próxima pressão, ou na próxima, ou na seguinte… então ele nunca para de tentar.  Reforçamento intermitente desempenha um grande papel em ligações traumáticas. Uma ligação traumática é uma poderosa conexão para um
abusador não apesar do abuso, mas por causa do abuso. Dutton e Painter têm elaborado a teoria da “ligação traumática”, através do qual
poderosas conexões emocionais são analisadas para desenvolver duas características específicas de relacionamentos abusivos: desequilíbrio de poder
e tratamento intermitente bom-ruim. Ligações emocionais em relacionamentos abusivos. Reforçamento intermitente começa de forma subliminar e intensifica-se
gradualmente. Uma ligação ou mensagem de texto não aparece quando esperado. Uma mão que sempre segurou a nossa quando andávamos pela rua
agora é mantida dentro do bolso. Ele parece está flertando com outra pessoa, mas nega.
Por uma semana, ele não está no clima para fazer amor. De pouco em pouco, só fica pior. Bem pior. Eles nos dão o tratamento silencioso. Eles sutilmente criticam ou nos diminuem por qualquer coisa – nosso peso, nossa idade, nossa dança, ou ideias e opiniões, as peculiaridades que eles diziam amar; ou eles nos comparam de modo negativo com algum outro. Eles provocam colapsos emocionais, e depois dizem que somos loucos e que deveríamos parar. Mas de tempos em tempos, ele ou ela, se tornam de novo aquelas pessoas amáveis e atenciosas que conhecíamos, amável e confiável. Viu? Nem tudo está perdido! Esses petiscos nos mantêm firmes nos momentos difíceis. Eles estão certos, somos só inseguros ou, ciumentos ou loucos; esse é o real problema. Ou o que parece ser.

Então o que podemos fazer para impedir de ser uma vitima do esquema de reforçamento intermitente no futuro? Foi difícil de reconhecer, surgiu tarde no relacionamento, e foi difícil de afastar, pois já estamos conectados. Além disso, nós podemos até não ter sido muito bem informado sobre essa técnica de manipulação. Agora nós temos o conhecimento e a experiência para
trabalharmos nisso. Aqui estão algumas coisas que você deve ter em mente em relacionamentos futuros:  Confiança baseada em três coisas: previsibilidade, confiabilidade e fé. Previsibilidade é baseada na consistência do comportamento do parceiro, que contrasta fortemente com tratamento intermitente bom – ruim. Confiabilidade é o grau você confia no seu parceiro para ser honesto e confiável. Fé diz respeito a sua convicção de que seu parceiro atenderá suas necessidades, pode ser confiável, e pode contar com um tipo de comportamento e a maneira do cuidado. Não julgue essas coisas como eram de uma vez só, no passado – considere como eles são no presente momento. Psicopatas são bons em ganhar nossa confiança, mas não muito bons em mantê-la. Olhe para todas as marcas de um relacionamento saudável: intimidade, comprometimento, consistência, equilíbrio, progressão, valores compartilhados, amor, cuidado, confiança, e respeito.

Ouvir qualquer sinal que dispara na sua cabeça, e escute seus amigos e membros da família que prezam pelo o melhor pra você. Não os ignore não importa o quanto você queria.  Esteja consciente da dinâmica da relação, e mantenha o papel que você desempenha no relacionamento. Esteja consciente de que quando você se sentir cronicamente inseguro, doente, ansioso ou machucado, você pode ter sido pego no drama causado pela manipulação e tornar-se cego para a maior dinâmica em jogo. Fique atento aos sinais em você de que você está sendo manipulado – é mais fácil do que tentar descobrir sobre seu parceiro que estará mentindo e inventando desculpas. Você pode rever isso no post “How to Tell If You´re Being Manipulated”. Você não vai se sentir assim em um relacionamento saudável, normal.
Trabalhe pra desenvolver bem, limites claros agora, antes de se envolver com alguém. Essa é provavelmente a coisa mais importante que você pode fazer.

Tradução: Leonardo Murilo Leão – Acadêmico de Psicologia da PUC – GOIÁS
Texto original: http://psychopathsandlove.com/intermittent-reinforcement/

Share

Comente!