Como aumentar a Segurança no Trabalho – I

Artigo publicado em: 16/09/2013

Rommel S. F. Nogueira
Publicado em: 26/06/2003

Segurança Comportamental é um termo que se refere a aplicação dos conhecimentos científicos da Psicologia Comportamental nas questões de segurança no trabalho. Ela vem se juntar aos esforços despendidos por várias áreas do conhecimento humano para o trato das questões de segurança. Não pretende substituir as iniciativas da engenharia ou medicina do trabalho, mas acrescentar um novo enfoque às tradicionais medidas para a segurança no trabalho. É uma aplicação que está bem estabelecida nos EUA, na Inglaterra e Austrália por apresentar ganhos significativos nos níveis de segurança da empresa.

É uma intervenção ampla que, em parceria com a CIPA (se houver), busca envolver tanto o “chão de fábrica”, quanto a supervisão e o nível gerencial para que todos se sintam responsáveis pela segurança, de tal forma que a atuação dos funcionários passa a ser pró-ativa, em vez de reativa às recomendações da CIPA ou da supervisão (no sentido de fazer somente aquilo que a CIPA ou o que o Supervisor manda). É aplicável a pequenas, médias e grandes empresas.

É um modelo de atuação que está de acordo com as sugestões da BS 8800 (Norma inglesa para segurança) para implementação de um sistema de gestão em segurança e saúde do trabalho.

Em primeiro lugar, o sucesso da intervenção passa pelo comprometimento dos níveis gerenciais, que permitirão e apoiarão as ações dos funcionários conforme o que for planejado.

Por se basear num modelo científico, a intervenção exige um planejamento detalhado e com um prazo de aplicação que pode variar de algumas semanas até meses, dependendo do tamanho e da complexidade da atuação, porém os resultados podem se estender muito além desse prazo, desde que certas condições (ajustadas caso a caso) tenham sido estabelecidas.

Em linhas gerais o processo passa pelas seguintes fases:

a) Planejamento de como realizar:

– pesquisa sobre a percepção da segurança na empresa;

– preparação da gerência e dos trabalhadores para o trabalho a ser feito;

– recrutamento de interessados em participar;

– entrevistas e análise de ocorrências anteriores;

– treinamento dos observadores.

b) Desenvolver medidas do desempenho em segurança, registrando qual(is) comportamento(s) se está objetivando reduzir ou incrementar (uso de EPI, cumprimento de normas de segurança, etc.);

c) Efetuar o treinamento de observadores;

d) Efetuar a observação;

e) Registrar as medidas identificadas para o caso;

f) Estabelecer metas de melhoria; Por exemplo, verificou-se que é comum encontrar funcionários sem usar os óculos de proteção, faz-se a análise para identificar as causas, verifica-se as conseqüências para a pessoa e se estabelece uma meta para aumentar o uso dos óculos, sendo que esta meta é definida com a participação dos funcionários.

g) Efetuar novas observações;

h) Divulgar a informação colhida a partir das observações e o alcance das metas estabelecidas;

i) As informações obtidas são repassadas em reuniões específicas, na qual todos são convidados a participar;

j) Buscar a melhoria contínua.

Para viabilizar os resultados pode-se utilizar recompensas tangíveis (bonés, camisetas, chaveiros, etc.), que seriam definidas em função do investimento que se pretende fazer.

Não se trata de uma campanha de motivação, mas um procedimento com base científica para atuar sobre as condições para promover comportamentos seguros observáveis e reduzir a ocorrência de comportamentos inseguros.

Você quer saber mais? Entre em contato conosco e obtenha mais informações ou dê seu feedback sobre o texto.

InPA – Instituto de Psicologia Aplicada
E.mail para contato: inpa@inpaonline.com.br
Fone: (61) 3242-1153

Share

Comente!





NEWSLETTER