Pesquisa relaciona celular à queda de desempenho escolar

Pesquisa relaciona celular à queda de desempenho escolar

Uso frequente do celular, segundo pesquisa da Kent State University, é vinculado à ansiedade, notas mais baixas e redução da alegria em estudantes. Ou seja, afeta diretamente o desempenho escolar.

Nos dias atuais, os smartphones são fundamentais para a vida dos estudantes universitários, mantendo-os constantemente conectados com amigos, familiares e com a Internet.

Os telefones celulares dos alunos raramente estão fora de alcance seja na sala de aula da faculdade; biblioteca; centro de lazer; refeitório ou dormitório.

Como o uso de telefone celular continua a aumentar, vale a pena considerar como o uso do dispositivo está relacionado com resultados mensuráveis ​​importantes para o sucesso do aluno. Tais como: desempenho escolar, ansiedade e felicidade.

A pesquisa

Andrew Lepp, Ph.D., Jacob Barkley, Ph.D., e Aryn Karpinski, Ph.D., pesquisadores da Kent State University,  membros do corpo docente da Faculdade de Educação, Saúde e Serviços Humanos, pesquisaram ​​mais de 500 estudantes universitários.

O uso diário de telefone celular foi registrado junto com uma medida clínica da ansiedade e do nível de satisfação de cada aluno com a sua própria vida, ou em outras palavras a felicidade.

Finalmente, todos os participantes permitiram aos pesquisadores acessar seus registros universitários oficiais. A fim de anotar a pontuação média real e acumulativa na faculdade (GPA).

Todos os alunos pesquisados ​​eram estudantes de graduação e foram igualmente distribuídos por classe.

Além disso, segundo relatadas pelos estudantes, oitenta e duas áreas de formação estavam representadas no estudo.

Os resultados da análise mostraram que o uso do telefone celular foi negativamente relacionado com a GPA. E positivamente relacionado com a ansiedade.

Em seguida, o GPA foi positivamente relacionado com a felicidade enquanto a ansiedade foi negativamente relacionada com a felicidade.

Assim, para a população estudada, de usuários de alta frequência de telefonia celular tendem a ter menor GPA; maior ansiedade e menor satisfação com a vida. Em relação aos seus pares que usaram o celular com menor frequência.

Dessa forma, o modelo estatístico que ilustrou essas relações foi altamente significativo.

No início deste ano, uma equipe liderada por Lepp e Barkley também identificou uma relação negativa entre o uso de telefone celular e aptidão cardiorrespiratória.

Tomado como um todo, estes resultados sugerem que os alunos devem ser encorajados a monitorar seu uso do telefone celular.

Além disso, devem refletir sobre isso de forma crítica para que este uso não venha em detrimento do desempenho escolar; a saúde mental e física; e no geral bem-estar ou felicidade.

Inpa- Instituto de Psicologia Aplicada, Brasília-DF

Share

Comente!





× Quer agendar a sua consulta?