Falta de moradia na infância está ligada a resultados ruins em relação à saúde de mães e crianças

BOSTON – Um novo estudo conduzido por pesquisadores do Children’s HealthWatch, pesquisa e rede de políticas sediado em Boston Centro Médico (BMC), mostra que crianças pequenas abaixo de 12 meses de idade que passaram pela experiência de desabrigo correm o risco de saúde e desenvolvimento precários, comparado com seus pares em famílias alojadas. Esses resultados demonstraram a importância de novas famílias abrigarem crianças sem moradia, com o intuito de ajudar a prevenir os efeitos de saúde precária e desenvolvimento abaixo da média.

Para esse estudo, pesquisadores entrevistaram famílias de crianças pequenas em departamentos de emergência e clínicas de cuidados primários em Boston, Baltimore, Minneapolis, Filadélfia, e Little Rock entre maio de 2009 e dezembro de 2015. Das 9.980 famílias entrevistadas, três por cento responderam que experimentaram falta de moradia durante o primeiro ano de vida do seu bebê. Comparados com crianças pequenas e mães de famílias alojadas, crianças que experimentaram o desabrigo eram muito mais propensas a ter uma saúde precária e apresentar atraso no desenvolvimento. Além disso, mães se mostraram mais propensas a reportarem saúde precária e sintomas de depressão. Famílias de crianças pequenas que passaram por desabrigo se mostraram mais propensos a dizer que não se mostraram capazes de oferecer comida o suficiente, conhecido como insegurança alimentar, e que membros da família eram incapazes de oferecer cuidados médicos ou prescreverem medicamentos comparados com famílias alojadas.

“Nós também nos referimos a ‘resiliência’ quando falamos sobre crianças expostas a dificuldades enquanto são pequenas;” diz Diana Cutts, MD, a primeira autora do estudo, Co-LíderPrincipal investigadora do Children’s HealthWatch, e cadeira interina de Pediatria em Hennepin County do centro médico em Minneapolis, “não devemos nos enganar sobre os reais impactos a longo prazo que temos visto.”

De acordo com a administração federal para Crianças e Famílias, infância é o período da vida onde a pessoa é mais suscetível a viver em um abrigo. Dadas as implicações negativas para a saúde de desabrigados, para mães e crianças pequenas durante o primeiro ano de vida, os autores do estudo recomendam políticas e programas para prevenir a falta de moradia.  Eles também destacam para o desenvolvimento e financiamento de intervenções, como parcerias entre sistemas de cuidados a saúde e habitação, e promoção de serviços sociais para coordenar habitações e outros recursos relacionados à saúde e recursos para famílias desabrigadas com crianças pequenas.

###

Esse estudo foi publicado no jornal Cityscape, uma publicação do escritório de Política de Desenvolvimento e Pesquisa  (PD&R) em Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano.

 

Link original: https://eurekalert.org/pub_releases/2018-07/bmc-hii073018.php

Link da Imagem: http://www.bassukcenter.org/wp-content/uploads/2016/06/execsummary1.png

Tradução: Leonardo Murilo Leão, acadêmico de Psicologia – Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Share

Comente!